Dos meus dias

Viver consiste em construir recordações futuras. (Ernesto Sábato)


3 comentários

mais uns cromos para a caderneta

A menos de 48 horas da entrega (e apresentação) de um trabalho para uma cadeira, uma aluna envia-me um mail a pedir que lhe indique os “temas” que tem de tratar. Note-se que os colegas, que começaram em Novembro, tiveram de fazer pesquisas e apresentar propostas relativamente ao que iriam fazer. A mocinha em causa, que não vem às aulas porque trabalha, ainda na semana passada se cruzou comigo e nada disse.

Uma outra criatura, que não é meu aluno, mas se fosse também não mudaria nada, insiste em perguntar se a classificação final de 9 valores que obteve numa dada cadeira significa, ou não, aprovação na mesma. É que, na sua “humilde” opinião, 9 é positivo.

E pronto… creio que não há mais nada que se possa acrescentar.

Anúncios


Deixe um comentário

ostras de sabedoria

Todos os professores, independentemente do grau ou da área de ensino, são brindados com verdadeiras “pérolas de sabedoria” por parte dos alunos e de vez em quando lá têm um que é particularmente exímio nessa arte (uma verdadeira ostra, portanto). É este o caso de uma aluna que tenho este ano. Uma moça que diz coisas de bradar aos céus, com a absoluta convicção de que está certa e que, frequentemente, não entende o alcance das afirmações que faz, mesmo depois de se lhe explicar o disparate.

Hoje, enquanto falávamos de formas de aquisição de bens (no caso livros para bibliotecas), depois de mencionadas as compras e as doações (o objectivo era fazê-los chegar às permutas), diz-me a aluna que outra maneira de se adquirir algo é “por furto”. Naquele momento fiquei tão atónita com o que tinha acabado de ouvir que me perguntei se ela conhecia o significado da palavra. (Também se podia dar o caso de estar a gozar comigo, mas, para além de não ser o género, vi que estava absolutamente convencida do que estava a dizer.) Os colegas conseguiram digerir a situação bem mais rápido do que eu e brincaram com ela. Eu, depois de tentar encaixar o que se estava a passar, e entre a vontade de rir a bandeiras despregadas ou chorar a minha sorte, acabei por fazer um intervalo e beber um chá, que dizem que cura todos os males.