Dos meus dias

Viver consiste em construir recordações futuras. (Ernesto Sábato)


Deixe um comentário

sem rumo

É assim o país. Em estado de letargia, ao sabor das marés, num vai e vem constante que não nos leva a lugar algum. Não vejo um projeto, um destino. Nada! E quando aqueles que acreditaram que valia a pena lutar por um outro Portugal perdem toda a esperança, pergunto-me, uma vez mais, onde é que isto vai parar?

Anúncios


Deixe um comentário

dos medos e (in)certezas

“Prometo falhar.”
Foi a única promessa que ele fez, toda uma filosofia em duas palavras, não acreditava na possibilidade da perfeição, nem sequer fazia o que quer que fosse para a alcançar, pois se não existe porque havia de a procurar?, e deixava-se viver pelo que tinha à frente, as opções todas, as portas todas, havia sempre uma hora ideal para a felicidade e era sempre agora, o amor só existe quando alguém desiste de ser perfeito.
“Quero tanto mas deixa lá.”
O abominável medo das pessoas, a abominável capacidade de saciar com metade aquilo que pode ser inteiro, ela tinha medo, tanto medo, medo de errar, medo de não conseguir, medo de não dar o passo certo no sentido certo, muito menos na hora certa, e quando o abraço aconteceu eram dois corpos que se juntavam, sim, mas eram muito mais dois mundos diferentes que não sabiam como se unir, o amor só existe quando dois mundos se unem sem fazerem a mínima ideia de como se hão-de unir. […]

de Pedro Chagas Feitas