Dos meus dias

Viver consiste em construir recordações futuras. (Ernesto Sábato)


Deixe um comentário

e eu que o diga

Nas minhas deambulações pela web, li que it’s important to remember that downloading is not equivalent to learning. Uma grande verdade, sem dúvida alguma, comprovada pelos vários (muitos) gigas de livros e artigos científicos que tenho armazenados em várias pastas e que se não forem lidos só servem mesmo para ocupar espaço. E se há uns anos o custo dos livros e das fotocópias nos fazia pensar duas vezes antes de guardar coisas sem as ler, hoje a facilidade do download leva-nos a não pensar quando confirmamos a ordem “guardar”.


Deixe um comentário

A primeira vez que a vi foi na maternidade. Não me lembro propriamente dela, mas tenho uma ideia difusa da mãe, num quarto não muito grande um pouco apinhado de gente. Já em casa recordo-me de a disputarmos na muda da fralda e, principalmente, no momento de por pó de talco. Depois foi crescendo. Tinha 3chupetas que adorava por na boca de uma só vez e quando lhe nasceram os primeiros dentes não parava de morder a toda a gente. Nunca gatinhou, mas corria tudo sentada com um pé debaixo do rabo e usando o outro para avançar ou recuar. No dia em que começou a andar correu até cair de cansaço. Até à adolescência foi uma espécie de brinquedo, especialmente no Carnaval, em que a vestíamos com fatos inventados na hora (e cada um mais estranho que o outro). Depois veio a adolescência, o “afastamento” e as brigas, especialmente complicadas quando se tratava de a ajudar em alguma tarefa escolar. Quando passei a ter autorização para sair à noite (bem tarde para os padrões de hoje) passou a ir connosco para todo o lado. Entretanto cresceu, tornou-se uma mulher independente e determinada e uma mãe dedicada. Hoje a minha irmã mais nova fez 35 anos.


Deixe um comentário

o poder e as causas

Como em muitas outras coisas na vida, é quando somos confrontados com o afastamento de determinadas pessoas que percebemos que por muito que gostem do poder (coisa que nem sequer se dão ao trabalho de disfarçar) também acreditam em causas. E entre estas e outras que parecem privilegiar a estratégia política e o promoção pessoal eu prefiro claramente as primeiras.